Os novos direitos dos cuidadores de idosos

Hoje, 16 de junho de 2011, durante a 100ª Conferência da Organização Internacional do Trabalho (OIT), foram adotadas normas internacionais do trabalho que protegem trabalhadores domésticos, entre os quais os cuidadores de idosos se enquadram.

De acordo com as novas normas da OIT, os trabalhadores domésticos que cuidam de famílias e de domicílios devem ter os mesmos direitos básicos que os outros trabalhadores. Isso inclui definição da jornada de trabalho, descanso semanal de, no mínimo, 24 horas seguidas, informações claras sobre termos e condições de emprego, entre outros.

Gostei muito do comentário de Manuela Tomei, diretora do Programa da OIT sobre Condições de Trabalho, sobre os textos produzidos a partir da conferência. Ela diz que o material deixa claro que “as trabalhadoras domésticas e trabalhadores domésticos não são serviçais ou membros da família; são trabalhadores e trabalhadoras; depois de hoje, não podem ser considerados/as como trabalhadores/as de segunda categoria”.

Acredito ser fundamental que empregadores entendam que o trabalho doméstico deve ser valorizado e que os trabalhadores adotem posturas cada vez mais profissionais. Entre os cuidadores de idosos, uma das maneiras de isso ocorrer é a busca por formação básica (ensino fundamental e médio) e específica (cursos de cuidadores de idosos e outros), qualificando continuamente seu trabalho.